EBC esconde mais de oito anos de conteúdos produzidos para o Portal

A Comissão de Empregados da EBC cobrou a empresa sobre quais foram os motivos que levaram a direção a esconder mais de 8 anos de conteúdos de qualidade produzidos pelos profissionais da casa para o Portal EBC.

O antigo Portal (www.ebc.com.br) foi transformado no endereço institucional da empresa e os conteúdos produzidos para o Portal migraram para o endereço: memoria.ebc.com.br. Migração semelhante, realizada anteriormente, causou à Agência Brasil um grande prejuízo à sua audiência, que só foi recuperada depois de anos de atuação para otimizar buscas, com apoio de especialistas e com formação das equipes de edição e de gestão.

O problema é que o conteúdo migrado para o novo endereço não está nos buscadores da internet, como o Google. Ele está acessível apenas para quem digitar o endereço direto no navegador, fazendo com que a memória do Portal EBC fique no limbo da internet.

Fora isso, não foi feito o redirecionamento adequado para o novo domínio. Outros sites e portais que republicaram o conteúdo do Portal EBC e deram o crédito agora estão com os links quebrados.

Um exemplo, entre muitos, é o do especial sobre 25 anos do ECA republicado pelo Ministério Público do Paraná. A página do órgão leva para o link quebrado da EBC.

Conteúdos fora do ar

Também cobramos a empresa sobre o motivo de parte dos especiais produzidos pelo Portal estarem com link quebrado, principalmente entre 2012 e 2016. Entre os especiais fora do ar estão o sobre o jornalismo assassinado pela ditadura Vladimir Herzog; sobre o golpe de 1964; sobre a cultura do estupro; sobre a música negra brasileira; sobre o centenário do poeta Vinícius de Moraes, entre tantos outros exemplos.

Outro caso preocupante é o das galerias de fotos da Agência Brasil: as fotos anteriores à migração para o novo site aparecem no buscador da EBC, no entanto, as mídias não estão disponíveis nas respectivas páginas, causando um grande prejuízo para a Agência e para os veículos que as utilizam.

Decisão prejudica audiência dos veículos da EBC

Até 2016, trabalhava-se para fortalecer a presença da EBC na web, com o fortalecimento do endereço www.ebc.com.br . Quando essa página deixou de ser um endereço apenas institucional para tornar-se o Portal dos conteúdos da casa, em 2012, tinha um acesso médio de 67 mil visitas por mês. Em 2016, chegou a ter uma média de 3 milhões de acessos por mês. A decisão da época ia no mesmo caminho adotado nos últimos anos pelo governo federal, que também tem procurado fortalecer sua página raiz.

Isso porque, a partir de estudo do funcionamento da Internet, sabe-se que o endereço principal da empresa — no caso, ebc.com.br — e sua atualização (incluindo a frequência e os tipos de conteúdo) é fundamental para o mapeamento do site todo pelos motores de busca. Da mesma forma, é importante que os conteúdos já mapeados pelos motores de busca estejam disponíveis ou devidamente redirecionados, o que leva à preocupação de que essas páginas quebradas possam prejudicar a audiência de todas as páginas da EBC com o tempo, enfraquecendo também o site da TV Brasil, da Agência Brasil, da Rádio Nacional e da Rádio MEC.

EBC na Rede

Soma-se a isso a desativação do perfil EBC na Rede no Twitter. Perfil que existia desde 2011 e contava com mais de 75 mil seguidores, além de outros 144 mil seguidores no Facebook. O perfil no Twitter foi tirado do ar e nenhuma mensagem foi deixada para os seguidores. Após a Comissão cobrar a Direção de Jornalismo sobre por que não manter o perfil, mesmo que inativo, ele foi reativado e colocaram uma postagem redirecionando os seguidores para os demais perfis da EBC.

Ao levar o nome da EBC, é um perfil que poderia, inclusive, contribuir para fortalecer a empresa, num momento em que ela está sendo questionada e que a direção e todos nós, empregados/as, temos trabalhado pela sua sobrevivência: são mais de 200 mil pessoas que, de alguma forma, sabem o que a EBC faz e se interessam por seus conteúdos, podendo inclusive contribuir para que eles cheguem a mais gente. É um desperdício deixar de se comunicar com elas.

Radioagência Nacional

Outra mudança recente que causa estranheza é a migração da Radioagência, que tinha um endereço próprio, para dentro do domínio da Agência Brasil. Como tudo na EBC, a mudança foi feita sem transparência e nem mesmo a equipe foi avisada ou preparada, precisando se adaptar à nova página após a migração ter sido concluída.

É bom lembrar que rádios do país todo utilizam o conteúdo da Radioagência Nacional, que já teve mais de 3 mil veículos/jornalistas cadastrados em sua plataforma, o que contribui para ter a dimensão do seu alcance. Não sabemos o impacto dessa mudança para as chamadas rádios parceiras.

O que tem motivado essas mudanças nos produtos da EBC oferecidos pela internet? Não é possível ter clareza, pelas medidas apresentadas, de que essas mudanças visam a fortalecer a Empresa e sua presença no mundo digital, cuja importância é crescente.

A empresa não tem o cuidado nem de informar os profissionais da casa dos motivos das mudanças. Algumas mudanças causam um notório prejuízo para a marca da EBC como no caso da memória do Portal escondida no limbo da internet.

A comissão de empregados entende que o conteúdo produzido pela casa faz parte da memória da EBC e da comunicação pública no Brasil, de um serviço público prestado aos brasileiros e brasileiras, e qualquer tentativa de esconder essa memória é uma violência contra os profissionais e contra o público, já que uma das missões da empresa é promover o direito à informação.

Comissão de Empregados da EBC

--

--

Perfil dedicado à mobilização dos trabalhadorxs da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Comissão de Empregados da EBC

Perfil dedicado à mobilização dos trabalhadorxs da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).